• Como implementar um programa de compliance na sua empresa;
  • Cinco passos para estimular o compliance nas empresas.

Como implementar um programa de compliance na sua empresa
O site Pequenas Empresas Grandes Negócios traz um breve artigo sobre como implementar um programa de Compliance em pequenas e médias empresas.
A matéria aborda rapidamente os elementos mais básicos de um programa de Compliance, como comprometimento da alta direção, implementação de um código de ética simples, comunicação efetiva, análise de riscos e tratamento dos desvios.
Destaca, por outro lado, que a transparência, a ética e o Compliance são um caminho sem volta no Brasil e que a reputação da empresa será cada vez mais influenciada pela qualidade de seu programa de Compliance. Em última análise, a própria sobrevivência empresarial está vinculada ao sucesso do programa de Compliance.
Link da notícia

COMENTÁRIO:
Percebam: a CGU já soltou uma cartilha sobre “Integridade para pequenos negócios”, agora o site Pequenas Empresas & Grandes Negócios traz matéria para auxiliar a implementação de um programa de Compliance na sua empresa.
Segundo a matéria “a transparência, a ética e o Compliance são um caminho sem volta no Brasil”.
Eu sei como algo novo pode parecer difícil num primeiro momento, mas eu gostaria muito que vocês compreendessem que esse tipo de iniciativa (qual seja: a de incentivar que pequenas e micro empresas tenham um setor de Compliance, para se verem inseridas em um Brasil mais transparente e ético)… esse tipo de iniciativa não tem volta! O mercado vai se regular num futuro próximo entre empresas que buscam serem mais éticas e transparentes e as que não buscam. E isso continuará até que aquelas que não buscam não existam mais.
Como qualquer problema novo ou de difícil resolução na vida, o enfrente por etapas. Resolva os pequenos problemas no entorno da existência de um setor de Compliance na sua empresa.
Se você resolver problemas no entorno suficientes, perceberá que aos poucos aquilo que parecia distante está ao seu alcance. E mais que isso, que essa solução vai lhe abrir novas portas de negócio.
Se preciso for, busque orientação especializada, mas saiba: de nada adianta ir por esse caminho se você, acionista, dono de empresa, CEO, dirigente não estiver convencido dessa solução.
Nesse caso: busque mais conhecimento. Sem o apoio da alta direção não há setor de Compliance efeitivo.
Qual a sua opinião?

Cinco passos para estimular o compliance nas empresas
O site Administradores.com.br elencou os cinco passos para estimular o compliance nas empresas. Vamos a eles:
1 – Ética não deve ser assunto apenas em reuniões específicas e treinamentos, mas deve ser parte da rotina dos profissionais.
2 – A empresa tem que fazer o que prega. Sem um posicionamento ético firme, os colaboradores serão mais propensos a achar que pode haver alguma flexibilidade quanto ao comportamento a ser adotado diante de dilemas éticos.
3 – Os colaboradores devem ter certeza de que todo reporte sobre condutas irregulares será levado a sério e não sofrerá retaliação.
4 – As metas e ambições da empresa, assim como o modo de alcança-las, devem estar em adequação com os princípios éticos da empresa.
5 – Ouvir os colaboradores sobre seus questionamentos, dúvidas, receios e experiências em relação ao programa de Compliance de modo a medir a aderência deles ao programa de Compliance e, caso necessário, como fazer para melhorar essa aderência.
Link da notícia

COMENTÁRIO:
Efetivamente cada um desses cinco passos poderia ser utilizado para uma palestra e discussão. Como já dissemos: no formato do News, vamos apenas comentar sobre um deles:
Hoje escolhi o item 3 – Os colaboradores devem ter certeza de que todo reporte sobre condutas irregulares será levado a sério e não sofrerá retaliação.
Esse é um ponto fundamental para que o canal de denúncia da empresa tenha sucesso. Deve existir uma política de não retaliação. Ou seja, em algum documento da empresa deve estar expresso algo mais ou menos no seguinte sentido:
“Em nenhuma hipótese será tolerada retaliação àqueles que tomarem a iniciativa de registrar qualquer reclamação ou denúncia sobre possíveis violações a leis, regulamentos ou às Políticas da empresa, ainda que não confirmadas após a conclusão das investigações.
Qualquer alegação ou identificação de represália será imediatamente investigada e, se concretizada, devidamente punida.”.
Qual o meio que uma pessoa que sofresse uma retaliação utilizaria para se defender? Simples: uma nova denúncia, inclusive anônima, informando que se está sofrendo retaliação.
Não existe empresa que leve a sério seu canal de denúncia sem uma política nesse sentido. Permitir que seus funcionários e colaboradores possam relatar desvios de conduta com tranquilidade é o caminho correto para que a empresa tenha mais conhecimento do que ocorre dentro de suas dependências.
Qual a sua opinião?

Se quiser saber mais sobre Compliance, programas de integridade, ética e ações anticorrupção assinem o canal.

Se achar que alguma notícia merece destaque, ou se quiser ver algum tema tratado com maior profundidade mande sua sugestão para: news@icomply.com.br

IComply, aprimorando pessoas, fortalecendo empresas

icomply-wp

View all posts

Add comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *